jump to navigation

Bovinus setembro 26, 2008

Posted by Renata do Amaral in Jardim Paulista.
Tags:
1 comment so far

bovinusAntes de tudo, preciso fazer um mea culpa: os próximos, hum, quase vinte posts não vão ser tão confiáveis, porque passei praticamente dois meses sem escrever, só anotando uma ou outra coisa no bloco de notas para não esquecer. Preguiça pura! Vou postar na data em que fui para cada local, de qualquer forma.

Então, quase dois meses atrás, fui ao Bovinu’s com o povo do treinamento. Visita inusitada por vários motivos: para começar, estávamos usando galochas – foi no meio de uma visita às obras da linha amarela do metrô e um senhor até perguntou porque a gente estava de bota, hahaha! Sem contar que elas estavam podres de lama.

Depois, é o tipo de lugar para o qual eu jamais iria normalmente, por mais um bocado de motivos, como o apóstrofo no nome (e o próprio nome, ugh!) e por ser uma casa de carnes, ora.

O bom dessas churrascarias-rodízio é que tem de tudo além das carnes. O ruim é que o prato sempre acaba virando um samba do crioulo doido. Resumindo, a entrada foi um bocado de salada e alguns sushis de salmão (ando com crise de abstinência de sushi por aqui por motivos financeiros – às favas com o bom senso, pois!). E o prato principal foi uma costelinha bem boa com polenta frita.

Endereço: Avenida Rebouças, 1.604, Jardins

[ Foto: Divulgação ]

MFK Fisher setembro 22, 2008

Posted by Renata do Amaral in [ off-topic ].
1 comment so far

Li na Time Out de Nova Iorque que amanhã vai haver um simpósio sobre MFK Fisher, minha food writer favorita de todos os tempos. É o centenário da moça que revolucionou a forma de se escrever sobre o tema – não sem antes passar por poucas e boas por causa disso. A verdade é que ela escreve sobre tanto mais! Esse trechinho que reproduzo abaixo foi a epígrafe da minha dissertação de mestrado e resume a história. Para reler sempre, para lembrar e para dar um gostinho a quem não leu ainda.

People ask me: Why do you write about food, and eating and drinking? Why don’t you write about the struggle for power and security, and about love, the way others do?

They ask it accusingly, as if I were somehow gross, unfaithful to the honor of my craft.

The easiest answer is to say that, like most other humans, I am hungry. But there’s more than that. It seems to me that our three basic needs, for food and security and love, are so mixed and mingled and entwined that we cannot straightly think of one without the others. So it happens that when I write of hunger, I am really writing about love and the hunger for it, and warmth and the love of it and the hunger for it… and then the warmth and richness and fine reality of hunger satisfied… and it is all one. (…)

There is a communion of more than our bodies when bread is broken and wine drunk. And that is my answer, when people ask me: Why do you write about hunger, and not wars or love?

(M. F. K. Fisher, na abertura de The Gastronomical Me)

As pessoas me perguntam: Por que você escreve sobre comida, e comer e beber? Por que você não escreve sobre a luta por poder e segurança, e sobre amor, como os outros fazem?

Eles perguntam isso me acusando, como se eu fosse, de alguma forma, inaceitável, infiel à honra do meu ofício.

A resposta mais fácil é dizer que, como a maioria dos outros humanos, eu tenho fome. Mas há mais que isso. Parece-me que nossas três necessidades básicas, de comida, segurança e amor, são tão misturadas e combinadas e intrincadas que não podemos verdadeiramente pensar em uma sem as outras. Então acontece que quando eu escrevo sobre fome, eu realmente escrevo sobre amor e fome por ele, e felicidade e o amor por ela e a fome por ela… e quando escrevo sobre a felicidade e a saciedade e a realidade da fome satisfeita… e tudo é uma coisa só. (…)

Há uma comunhão que vai além dos nossos corpos quando o pão é repartido e o vinho bebido. E essa é minha resposta, quando as pessoas me perguntam: Por que você escreve sobre fome, e não sobre guerras ou amor?

(Tradução livre)

Halim setembro 20, 2008

Posted by Renata do Amaral in Paraíso.
Tags:
1 comment so far

Estou “morando” na Aclimação, mas fico bem pertinho da estação de metrô do Paraíso. Em uma volta rápida pelo bairro, já dá para perceber que ele concentra um bocado de restaurantes árabes. Tive o prazer de conhecer ontem um bem tradicional, restaurantão com direito a TV ligada – mas sentei bem longe dela, então tudo bem!

A entrada foi uma (ou um?) uzi (R$ 6), bola de massa folhada com arroz, carne bovina, castanha e carne de carneiro. Divina(o)! Ainda melhor com molho de pimenta. Depois, carneiro ao forno com batata e cebola, servido com arroz com carne bovina moída e castanhas (R$ 38). Cozido a ponto de a carne soltar fácil do osso, é exatamente o tipo de carne que adoro. Para deixar tudo ainda melhor, quando se pede entrada, o prato serve bem de três a quatro pessoas.

Endereço: Rua Dr. Rafael de Barros, 56, Paraíso

[ Foto: Cuecas da Cozinha ]

Viena setembro 17, 2008

Posted by Renata do Amaral in Consolação.
Tags:
add a comment

No segundo dia de Shopping Pátio Higienópolis, fui ao Viena, outro quilo-caro (na faixa dos R$ 30) e bom. Tem ótima variedade de saladas, grelhados e até alguns brebotes como coxinhas e empadas. Fui no quibe de forno acompanhado de arroz com lentilha e estava bem gostoso. Ponto positivo para as sobremesas – a cheesecake estava tudo de bom, leve, cremosa e nada enjoativa. A rede tem mais de 70 unidades e foi criada em 1975, segundo o site da marca.

Endereço: Avenida Higienópolis, 618, Consolação

[ Foto: Divulgação ]

Ofner setembro 16, 2008

Posted by Renata do Amaral in Consolação.
Tags:
1 comment so far

Depois de almoçar no Kalili, provei a eclair de café (R$ 5,50) da Ofner: massa de carolina, recheio de creme de café e cobertura de fondant de café. Estava boa, mas não mais que isso. A loja tem uma vitrine de dar água na boca, então devo voltar lá para experimentar outras coisas depois, até porque já notei que se trata de uma rede que está em todo canto.

Endereço: Avenida Higienópolis, 618, Consolação

[ Foto: Divulgação ]

Kalili setembro 16, 2008

Posted by Renata do Amaral in Consolação.
Tags: ,
1 comment so far

Quando você almoça ali por perto da estação Santa Cecília todos os dias, uma prosaica refeição em um shopping (tipo de local que, em meu estado normal, não suporto) vira uma festa. Como fomos a um evento no Shopping Pátio Higienópolis, aproveitei para mudar um pouco o menu.

Fui ao Kalili, self-service árabe com todos os quitutes básicos daquela cozinha: kibe cru e frito, kafta, charutos de couve e repolho recheados com carne moída e arroz, carneiro (adoro, mas esse estava gorduroso demais), arroz com lentilha e todos os doces folhados. É um quilo-caro, por volta de R$ 30.

A coalhada seca estava acima da média e parecia ter sido feita com leite tirado da vaquinha na hora, de tão cremoso! Além do homus (grão de bico e pasta de gergelim) e do babaganush (beringela assada), havia uma pasta que eu não conhecia, a mahamara, de pimentão vermelho com nozes. Gostei.

Endereço: Avenida Higienópolis, 618, Consolação

Café do Espaço Unibanco Augusta setembro 15, 2008

Posted by Renata do Amaral in Consolação.
Tags:
1 comment so far

Outro local na linha pré-cinema. É o café do Espaço Unibanco (das salas 4 e 5), que deve até ter nome, mas não reparei. Ouvi falar que lá tinha ótimas tortas e parei antes de ir ver “Ensaio sobre a cegueira”. Estava quase na hora do filme, então quase engoli uma bela empanada de carne com uva passa (R$ 4) e uma assumidamente doce torta de pão de mel com recheio de doce de leite (R$ 5,20).

Endereço: Rua Augusta, 1.475, Consolação

Barão da Itararé setembro 14, 2008

Posted by Renata do Amaral in Bela Vista.
Tags:
add a comment

O bar homenageia o jornalista e humorista conhecido por frases hilárias como “Tem políticos cuja vida pública é a continuação da privada” e “Devo tanto que seu chamar alguém de ‘meu bem’ o banco toma”. Eu só conhecia o nome por meio daquela revista simpática que a gente encontra nos aviões da TAM, Almanaque Brasil. Também vale a pena entrar no site do bar, dar umas boas risadas e entender o espírito da coisa.

Pedi um belo sanduíche de carne louca (R$ 16,30), bem gostoso e temperadinho, mas que não chega aos pés da versão da minha mãe, que agora tem a obrigação moral de colocar a receita nos comentários! O charme da noite ficou por conta de um grupo de jazz que tocou por lá. Muito Chat Baker e Cole Porter, apesar de não parecer à primeira vista, ajudam a fazer uma garota feliz.

Endereço: Rua Peixoto Gomide, 155, Bela Vista

Frei Gelatto setembro 14, 2008

Posted by Renata do Amaral in Consolação.
Tags:
add a comment

freiSabe lugar com cara de que acabou de abrir? Essa sorveteria me pareceu assim. Depois descobri que ela realmente só existe há poucos meses. O sorvete é artesanal e servido em bolas gigantes – tão gigantes que meu amigo James achou que a atendente linha se enganado e colocado duas (R$ 4) em vez de uma (R$ 2,50). Isso até ele ver o meu, que era de duas, servido em cascão! Pedi doce de leite e chocolate com avelã e gostei dos dois. Não é o estilo italiano cremosão, como o nome pode sugerir, mas é bacana.

Endereço: Rua Frei Caneca, 852, Consolação

[ Foto: Folha Imagem ]

Liberdade setembro 14, 2008

Posted by Renata do Amaral in Liberdade.
Tags: , ,
3 comments

O bairro da Liberdade concentra vários restaurantes japoneses, mas preferi ficar na feira da rua na minha primeira visita. Acontece aos domingos e é muito, muito, muito lotada, mas também divertida.

Na primeira barraquinha, pedi um harumaki (R$ 2,50), o mais que tradicional rolinho primavera. A diferença aqui fica por conta do molho de rabanete. Depois, em outra barraca, fui de bifum com frango xadrez. Nada muito fora do comum, só me chamou a atenção o fato de ter salsão, nunca tinha visto. O grande (R$ 10) dá para duas pessoas e o pequeno (R$ 8), bem, acho que pouca gente pede!

A sobremesa foi na Bakery Itiriki (sic), uma padaria levemente japonesa, mas com um monte de opções bem nacionais de tortas e doces. Escolhi um manju de nozes, com feijão, trigo e açúcar (R$ 3,50), bem denso e pouco doce, como costumam ser as sobremesas orientais. Por “denso”, leia-se “bate-entope”! Não estava ruim nem bom, ou seja, nada que justifique a cara de espanto que muita gente faz ao pensar em feijão e doce na mesma frase. O atendimento deixa a desejar e a fila estava enorme.

Endereço da feira: saída do metrô da Liberdade
Endereço da Bakery Itiriki: Rua dos Estudantes, 24, Liberdade

[ Foto: Brocco Lee (hahaha!) ]