jump to navigation

Chibina novembro 30, 2008

Posted by Renata do Amaral in Liberdade.
Tags:
4 comments

chinesDomingo é dia de Liberdade. Seguimos a dica de Vanessa, que é da área, e fomos – nós duas, Chico, Natália e Ana Maria – para o Chibina. É bom ver como a cozinha chinesa é mesmo desconhecida para a gente – bom porque há tanto a descobrir!

Até publiquei um texto sobre cozinha chinesa este ano, mas baseada em pesquisa bibliográfica, por motivos óbvios. No Brasil, chinês é sinônimo somente de yakissoba, frango xadrez e rolinho primavera. Tudo gostoso, mas gorduroso e repetitivo.

Vanessa tinha feito a maior propaganda de como o lugar era legal e a comida, leve e diferente do que a gente estava acostumado a comer.

E ela não poderia estar mais certa. Pedimos massa branca com frutos do mar (R$ 9), lula com missô (R$ 12), pescada frita com gengibre (R$ 12), pato cozido (R$ 10) e risoto chop suey (R$ 8). O preço não está errado: deu R$ 60 para cinco pessoas. E acho que ela ainda errou na conta!

Não tínhamos nem como avisar, porque a dona não falava português. O cardápio era bilíngüe, mas era mais garantido pedir pelo número para não haver confusão. Pedir explicações sobre os pratos, claro, estava fora de cogitação.

Nem precisava: bastava sentir. A massa branca larga, talvez feita de arroz, era superleve. A lula chamou a atenção, além de pelo sabor, também pelo formato – em vez dos tradicionais anéis, era cortada ao comprido, mas não em tiras (eu realmente precisava de uma foto disso para explicar). Parecia um pouco uma flor. Apimentada, vinha com pimentão, salsão e… Carne moída! Causa estranheza para nós a mistura de mar e terra, mas funciona. A pescada frita também era ótima e vinha com fatias superfinas de carne. O pato, pelo qual tenho uma quedinha especial, estava uma delícia, mas bem trabalhoso: algumas partes tinham mais osso do que carne. Para beber, chá verde.

Algo que me impressionou foi a quantidade de opções do cardápio para uma casa tão pequena: além do número já grande de pratos que pedimos, havia mais dezenas de opções. A comida chegou à mesa rapidinho. O único senão é que o local pode ser levemente concorrido, ou seja, a dona pode não falar português, mas sabe gesticular para você ir embora!

O Chibina é tão simples que nem está no Google, mas juro que ele existe. Não sei se dá mais vontade de voltar ou de não voltar e procurar outros lugarezinhos como esse pelas redondezas!

Depois do verdadeiro banquete, ainda sobrou espaço para um pão chinês no vapor com recheio de feijão (R$ 4,30) na Itiriki. A massa parece crua quando você olha, mas é apenas macia na boca. Já o recheio de anko é velho conhecido das aulas de gastronomia.

Endereço: Avenida Galvão Bueno, 603, Liberdade

[ Foto meramente ilustrativa ]

Bier Bier novembro 29, 2008

Posted by Renata do Amaral in Pinheiros.
Tags:
2 comments

linguicas

Depois de ver a belíssima peça “Arrufos“, fui com James e alguns amigos dele comer no Bier Bier. Pedimos um misto de salsicha (Viena, Debreziner, Pingüim, Bratwurst) com salada de batata. Sempre bons esses embutidos que fazem muito mal e que a gente nem sabe do que são feitos (ou finge não saber)!

Essa que começa com D era amarela, diferente e bem temperada. Para acompanhar, além da tradicional mostarda, algumas variações de molho de raiz-forte. O ardido não faz bonito só na cozinha japonesa!

Endereço: Avenida Sumaré, 1.293, Perdizes

[ Foto meramente ilustrativa ]

Sottozero novembro 29, 2008

Posted by Renata do Amaral in Moema.
Tags:
2 comments

sottozero1

Ainda no Shopping Ibirapuera, fui à Sottozero comer a sobremesa: sorvete de paçoca e mascarpone. O primeiro estava gostoso, mas longe da textura dita italiana; do segundo, azedinho na dose certa, gostei bastante.

Endereço: Avenida Ibirapuera, 3103, Moema

[ Foto: Divulgação ]

Galeto’s novembro 29, 2008

Posted by Renata do Amaral in Moema.
Tags:
3 comments

galetosA ilustre visita de Catarina Yamamoto, direto from the streets of Philadelphia, merecia algo melhor que um almoço no Shopping Ibirapuera. Como não deu, o jeito foi abstrair e aproveitar os poucos minutos com minha amiga mais velha (ela tem a minha idade, mas a amizade tem 21 anos!).

A pedida foi o Galeto’s, uma rede que existe desde 1971 e tem filiais por todo canto. Pedimos a receita tradicional: galeto clássico com polenta frita (R$ 24,90) grelhado com sal grosso. Estava ótimo, com casquinha crocante, mas a quantidade de acompanhamento é desproporcional: o frango serve dois, mas fica faltando guarnição rapidinho. Claro que eles devem saber disso, né?

Endereço: Avenida Ibirapuera, 3103, Moema

[ Foto: Seu Restaurante ]

Exquisito novembro 28, 2008

Posted by Renata do Amaral in Consolação.
Tags:
1 comment so far

exquisito

Já queria ir ao Exquisito e gostei de cara. O lugar é espirituoso, com gracinhas em todo o canto, do cardápio às paredes com xilogravuras, uma pintura enorme de uma cena de “Bye Bye Brasil” e gradinhas de caminhão pintadas.

Pedimos – eu, Natália, Maria Alice Amorim e Pedro Américo, amigos dela muito divertidos – chilli com carne para três, ou seja, um potão de feijão e carne moída apimentados, massinhas de taco, nachos, guacamole e sour cream (R$ 38). Tudo bem bom.

Acho que vale a máxima do ótimo restaurante pernambucano Tio Pepe: “um prato completo serve bem três pessoas de apetite normal, duas pessoas mais ou menos normais ou uma pessoa após sete dias de spa brabo!”.

Era tão grande (se bem que eu já tinha beliscado umas coisinhas na abertura da exposição sobre José Saramago, agora também blogueiro) que eu, pasmem, não pedi sobremesa. Claro, porém, que filei o churros com doce de leite, sorvete de creme e calda de chocolate (R$ 10) que as meninas pediram. Dá para dois tranqüilamente.

Endereço: Rua Bela Cintra, 532, Consolação

[ Foto: Divulgação ]

Airin novembro 26, 2008

Posted by Renata do Amaral in Perdizes.
Tags:
8 comments

sushi

Não sei se há explicação científica para o fenômeno, mas sushi é a única comida com a qual – ou melhor, sem a qual – eu fico tendo crises de abstinência. Até tinha ido algumas vezes a uns japoneses de shopping (aaaaaargh!) com Nati, mas o estômago dela é inversamente proporcional ao meu, ou seja, ela ficava feliz e eu achava que só tinha comido a entradinha, bah!

Finalmente tomei vergonha e fui a um rodízio aqui, com ela, Cathy, Chico e Bruna. O festival (R$ 26,90 de segunda a quinta e R$ 28,90 de sexta a domingo) inclui guioza, harumaki, sushi, sashimi, shimeji (muito gostoso) e até sorvete de sobremesa. Comi algumas toneladas de salmão bom e fresquinho e achei que ia ficar sem querer ver por um bom tempo, mas já estou com água na boca só de ver essa foto, ô vício cruel! :D

Endereço: Rua Doutor Homem de Mello, 406, Perdizes

[ Foto meramente ilustrativa ]

Almanara novembro 25, 2008

Posted by Renata do Amaral in Bela Vista.
Tags:
1 comment so far

misk

Há uma categoria interessante de locais para comer nos shoppings: aqueles que não são fast-food, mas não chegam a receber o mesmo tratamento dos restaurantes convencionais. Fiquei pensando nesse nova teoria – vou ter que comer mais um bocado para comprovar! – hoje no Almanara do Shopping Pátio Paulista.

São detalhes, mas que contam: os talheres são pesados, mas o garçom não chega a arrumá-los e prefere deixar tudo em cima do prato, como num botequim. E, sim, isso é superaceitável… Num botequim. Depois, a sobremesa vem num pote de plástico com um prato comum embaixo fazendo as vezes de sousplat. Na boa: potinho de plástico e talher pesado não combinam, certo?

A casa é tradicional, existe desde 1950 e conta com várias filiais pela cidade. Não pude deixar de imaginar em como as coisas funcionam na matriz do Centro. Não que o atendimento tenha sido desatento ou desatencioso, mas dá uma sensação de que algo está faltando.

Por outro lado, tudo que pedi estava ótimo: esfirra aberta com carne (R$ 2,95), esfirra de verdura com recheio de espinafre e escarola (R$ 2,85) e quibe frito com carne moída e castanha (R$ 3,95). O destaque, para variar, vai para a sobremesa, malabie, manjar aromatizado com misk, um tipo de resina vegetal retirada dessa planta acima (não confundir com musk ou almíscar!), e coberto com calda de damasco (R$ 7,90). Bem perfumado e com a calda doce contrastando com a leveza do manjar. Para quem quiser tentar em casa, essa receita aqui do Panelinha, direto do restaurante Arábia, parece boa.

Endereço: Avenida Treze de Maio, 1947, Bela Vista

[ Foto: Botanical ]

Ponto Chic novembro 22, 2008

Posted by Renata do Amaral in Paraíso.
Tags:
2 comments

bauru

Depois de muito ouvir falar, fui conhecer o Ponto Chic, autodenominado o melhor bauru da cidade. Uma das quatro lojas fica no Paraíso, pertinho de casa, então eu nem tinha desculpa para adiar a visita!

O Bauru ao Ponto Chic (R$ 14,40) vem com fatias fininhas de rosbife, tomate, pepino em conserva e mistura de queijos fundidos, tudo no pão francês. Segundo eles, são quatro tipos de queijo derretidos em banho-maria.

Eu não duvido. O queijo fica uma massa uniforme de difícil identificação, mas gostosa. O melhor de tudo é a carne cortada fininha e com cozimento no ponto certo, levemente rosada. Complicado é conseguir comer tudo, pois o lanche – como chamam sanduíche por aqui – é gigante.

Endereço: Praça Oswaldo Cruz, 26, Paraíso

[ Foto: Divulgação ]

Anna Prem novembro 16, 2008

Posted by Renata do Amaral in Aclimação.
Tags: ,
2 comments

annaprem

O Anna Prem é um novo restaurante vegetariano instalado num sobrado em frente ao Parque da Aclimação, ou seja, do lado de casa! O lugar é muito bacana, todo zen, com direito a salinha de meditação e espaço em estilo oriental para quem prefere sentar no chão. E o nome quer dizer “comida e amor”. Bonito, não? Isso lembra Chico Buarque.

Quem fica a cargo da cozinha é Laksmi Kanta Devidasi. Segundo o site da casa, ela é monja há 23 anos e se formou em alimentação védica na Índia. Tudo é orgânico e há também uma lanchonete que segue o conceito de “comida viva”, ou seja, sem cozimento.

Há cinco tipos de pratos do dia para escolher: um vegano (sem nada animal), um vegetariano (com laticínios), uma massa, uma salada e um prato infantil. Logo na entrada, você olha o prato “modelo” e escolhe – um método um pouco estranho para nós brasileiros, só penso naqueles restaurantes japoneses com sushis de plástico para você apontar e pedir!

Pedi a opção vegetariana (R$ 22): salada verde com beterraba e palmito ao molho de manjericão, arroz integral, pastel de ricota com alcaparras (não gosto, mas estava bom), abobrinha e cenoura no azeite e bobó de grão de bico. Para beber, lassi de manga (R$ 3,50), sem açúcar, muito bom. Eles não usam alho nem cebola, mas ainda assim a comida é saborosa.

A sobremesa foi um bolo de frutas secas ($ 3,60), que depois entendi que era um bolo de chocolate com castanhas (!) e cobertura de ganache. Eu estava esperando algo como ameixa e passa, mas tudo bem, porque estava ótimo. As sobremesas lá levam mel em vez de açúcar. Até o cafezinho (R$ 2,50) é orgânico.

O local é uma gracinha. Só tem dois problemas: é um pouco caro para almoco – eu sempre penso que jantar compensa mais o investimento – e a música em estilo Beto Guedes (só que bem pior) pode ser um pouco irritante.

Endereço: Rua Muniz de Sousa, 1.170, Aclimação

[ Foto: Divulgação ]

Starbucks novembro 15, 2008

Posted by Renata do Amaral in Cerqueira César.
Tags:
1 comment so far

starbucks1Fui conhecer a loja da Starbucks da Alameda Santos com duas amigas-Caróis. Como já falei antes, acho chato esse esquema de fila em vez de garçom, mas vamos lá, aqui é justificado o american style.

Por motivos cinematográficos, pedi um muffin de blueberry (R$ 7) extra-grande e um café do dia pequeno (!), ou tall, com 300 ml (R$ 4,20). Como estava na Starbucks, ignorei o espresso e fui de copão. Não achei nem muito bom, nem muito ruim, estava ok. Já o bolo estava fofinho, mas o gosto de mirtilo pouco se sentia.

O local é bem agradável, com vários ambientes, incluindo terraço e poltronas fofinhas. Para se jogar e ficar horas conversando, o que não tivemos tempo de fazer, infelizmente, bah!

blueberry

Endereço: Alameda Santos, 1.054, Cerqueira César

[ Foto: Divulgação ]